Diário da Amazônia

As implicações do zoneamento socioeconômico em Rondônia

Confira o editorial


Imagem de Capa

Foto: Reprodução

PUBLICIDADE

Em meio aos desafios que têm marcado a trajetória de Rondônia, a recente audiência pública realizada na Assembleia Legislativa do Estado (Alero) para debater o levantamento cartográfico e o zoneamento socioeconômico emerge como um ponto fundamental para o futuro da região.

O levantamento cartográfico e o zoneamento socioeconômico são instrumentos fundamentais para a promoção do desenvolvimento sustentável e para a consolidação de políticas públicas eficazes no estado. Com a conclusão desse levantamento, Rondônia poderá finalmente vislumbrar um horizonte de oportunidades ampliadas, especialmente no que diz respeito à regularização fundiária e ao aumento da produtividade em diversos setores econômicos.

Uma das principais vantagens desse processo é o fortalecimento da economia local. Com dados cartográficos precisos e um zoneamento socioeconômico bem definido, será possível criar um ambiente propício para investimentos, promovendo a expansão de atividades agrícolas, pecuárias, industriais e comerciais.

A regularização fundiária, por exemplo, se tornará mais eficiente, proporcionando segurança jurídica aos produtores rurais e incentivando o aumento da produção agrícola. Além disso, a identificação de áreas adequadas para o desenvolvimento industrial e comercial impulsionará a geração de empregos e renda, contribuindo para a melhoria das condições de vida da população.

Contudo, é importante ressaltar que a ausência de um zoneamento socioeconômico adequado pode acarretar consequências desastrosas para o Estado de Rondônia. A falta de planejamento territorial pode resultar em conflitos fundiários, degradação ambiental e desequilíbrios econômicos, impactando negativamente a qualidade de vida dos cidadãos e comprometendo o futuro das próximas gerações.

 Além disso, a evasão populacional, já observada em alguns municípios, tende a se agravar sem a implementação de políticas que promovam um desenvolvimento equilibrado e sustentável em todo o território estadual.

O censo de 2022 revelou uma redução da comunidade em diversos municípios de Rondônia, evidenciando a urgência de medidas que revertam esse quadro preocupante. O levantamento cartográfico e o zoneamento socioeconômico surgem, assim, como ferramentas indispensáveis para reverter esse processo de despovoamento e promover um crescimento populacional sustentável, baseado no acesso equitativo aos recursos naturais e nas oportunidades de desenvolvimento para todas as regiões do Estado.

Portanto, é imprescindível que os poderes públicos, a sociedade civil e os setores produtivos unam esforços para garantir o sucesso desse empreendimento. É preciso investir em tecnologia e capacitação técnica, promover o diálogo entre os diferentes atores envolvidos e estabelecer políticas públicas que assegurem a implementação efetiva do levantamento cartográfico e do zoneamento socioeconômico. Somente dessa forma será possível construir um futuro próspero e sustentável para o Estado de Rondônia, onde o desenvolvimento econômico esteja harmonizado com a preservação ambiental e o bem-estar social de sua população.

Qual é a sua opinião sobre as declarações e ações de Elon Musk e do Ministro Alexandre de Moraes em relação às medidas impostas pelo STF, sobre a rede social “X” (antigo Twitter)?

Mais lidas de Diário da Amazônia
Últimas notícias de Diário da Amazônia